Relatório Semanal – Mercado de café no Brasil – 02 a 06 nov 2020 - Atlantica

(35) 3222-0495   |    (31) 98258-7114   |   Seg-Sex 08h às 18h   |   Av. Princesa do Sul, 1885 – Jardim Andere, Varginha – MG, 37062-180

KCNY e BRL/USD
Durante a semana KCH1 oscilou entre 104,85 e 110,4 e o BRL / USD foi negociado entre 5,3970 e 5,7660, mercados viveram muita oscilação principalmente diante as expectativas de resultado das eleições Norte Americanas. A nova onda de COVID-19 e as necessidades de lock-down continuam a preocupar a Europa e os mercados com relação recuperação das economias.

COVID-19
Até o dia 5 de outubro, os casos de Covid-19 no Brasil atingiam o total de 5.614.2585,49, com um total de 161.779 óbitos. 23.317 novos casos nas últimas 24 horas. As estatísticas dos últimos 7 dias mostram uma média móvel de 392 mortes por dia, 11% menor se comparada à semana anterior. 609 mortes nas últimas 24 horas. No Brasil, o Estado de São Paulo é o estado com mais casos e com mais óbitos. O Rio de Janeiro o segundo em óbitos e Minas Gerais o segundo em contaminação.

LOGÍSTICA INTERNACIONAL NO BRASIL
Os armazéns locais ainda estão muito ocupados com recebimento, armazenamento e processamento de café. E no que diz respeito à logística internacional, a situação não melhorou até agora. As dificuldades enfrentadas em termos de disponibilidade de navios e contêineres são principalmente para os Estados Unidos. Reforçamos que uma estratégia importante para mitigar parte dessas dificuldades é atuar antecipadamente.

ACOMPANHAMENTO DE SAFRA
Entre os dias 26 e 29 de Outubro nosso time de agrônomos conversou com 45 produtores parceiros das regiões das Matas de Minas, Sul de Minas, Norte e Chapadas de Minas, Cerrado e Mogiana. Cada uma das regiões com suas especificidades para essa safra, mas resumimos as percepções de nossos produtores com relação às áreas em que atuam.

Nas Matas de Minas foram 2 floradas mais relevantes e em algumas regiões houve uma terceira. A segunda foi a mais representativa no que se refere a produção para a safra 20/21. Não houve déficit hídrico, boas chuvas no decorrer do ano. Lavouras novas em bom estado as demais desgastadas pelo alto volume produzido na safra 20/21.

No Sul de Minas foram 3 floradas com flores mais vigorosas nas lavouras novas ou podadas. Produtores compartilharam sobre o grande déficit hídrico que pode comprometer o pegamento. Algumas regiões do Sul de Minas, passou por cerca de 120 dias de estiagem, chuvas de Outubro entre 10 e 90 mm dependendo do local. Temperatura média dos últimos 60 dias foi 23,6°C com contra média histórica para o mesmo período de 22,2°C segundo o INMET.

No Norte e Chapadas de Minas a principal florada, que representa 65% da produção da região, ocorreu no final da semana passada. Não houve déficit hídrico para o ano, chuvas de 100mm nos últimos 7 dias.

No Cerrado Mineiro foram reportadas três floradas. Mesmo com lavouras irrigadas a falta de chuva e as altas temperaturas geram preocupações quanto ao pegamento dos frutos a alguns de nossos produtores parceiros. Em Outubro foram 170 mm de chuva contudo alguns produtores relatam déficit hídrico anterior de até 150 dias.

Na Mogiana as floradas foram bem irregulares devido a falta de chuva na região agravada pelas altas temperaturas. Produtores reportam entre 5 e 90 mm dependendo da região. Temperatura média dos últimos 60 dias foi 25,7°C contra a média histórica para o mesmo período de 23,5°C segundo o INMET.

Em todas as regiões mencionadas acima, exceto Norte e Chapadas de Minas, foram reportadas lavouras desgastadas pelo volume produzido no ano 20/21, claro dependendo de esta se tratar de lavoura nova ou não e também do volume de precipitação ao longo do ano. No Norte e Chapadas de Minas as lavouras estão bem enfolhadas e com bom vigor vegetativo.

MERCADO DOMÉSTICO E FOB
Mercado interno pouco ativo, alguns negócios reportados, mas em pouco volume. Os cafeicultores estão bem capitalizados e próximo ao final do ano são menos atuantes com o café nos níveis atuais. No FOB, cotações para Janeiro/21 e safras futuras, semana de muitas cotações e poucos negócios, importadores esperando diferenciais mais largos.

Vamos continuar acreditando e investindo na cultura do café!

Fiquem bem,
Equipe Atlantica Coffee