Relatório Semanal – Mercado de café no Brasil - 28 set a 2 out 2020 - Atlantica

(35) 3222-0495   |    (31) 98258-7114   |   Seg-Sex 08h às 18h   |   Av. Princesa do Sul, 1885 – Jardim Andere, Varginha – MG, 37062-180

KCNY – ARÁBICA NA BOLSA DE NY (ICE Future US)
Entre 29-set e 02-out, o contrato futuro do café arábica seguiu a tendência de queda das últimas semanas. Os preços de Dezembro 20 oscilaram entre 114.75 usc/lb e 104.90. Há cerca de um mês, as cotações superavam os 135 usc/lb.

A queda nos preços reflete fatores técnicos, as chuvas pontuais no Brasil, o enfraquecimento da moeda brasileira, eleições americanas e preocupações com a demanda em virtude de novos surtos da Covid-19 no mundo.

CÂMBIO BRL/USD
O real oscilou durante a semana entre 5.5138 e 5.6779. No cenário brasileiro, o anúncio do governo na terça-feira (29), de novos gastos com o novo programa social “Renda Cidadã” – sem indicar cortes ou proposta de reforma tributária – trouxe preocupações para os investidores, pressionando a desvalorização da moeda em seu maior patamar desde maio.

Na manhã da sexta feira (2), o dólar recuou a 5.6151 reais na venda, com o aumento da incerteza eleitoral norte-americana após a notícia de que o presidente Donald Trump testou positivo para a Covid-19. Mais tarde, a moeda seguiu operando a sexta na casa dos 5.65.

MERCADO INTERNO
O fluxo de negócios de café no mercado interno está travado. Os cafeicultores estão pouco ávidos a vender sua produção nos níveis atuais, mesmo com a forte desvalorização do real. Os prazos de pagamento das compras estão mais longos. Há poucos exportadores realizando novas compras, saindo alguns negócios pontuais casados com demanda. O fluxo de entrada de café nos armazéns e de caminhões está se normalizando.

MERCADO EXTERNO
Mercado pouco ativo. O aumento de casos da Covid-19 no mundo renovou as preoucupações do mercado com a retomada de medidas preventivas e a recuperação das economias.

TEMPO E CLIMA
Os dias têm sido extremamente quentes e secos no sudeste e centro-oeste do Brasil. As temperaturas desta primavera estão acima da média dos anos anteriores. No Sul de Minas as temperaturas superaram os 35ºC. Chuvas pouco expressivas e muito pontuais estão previstas para o final de semana em algumas regiões produtoras. A onda de calor está prevista para terminar apenas na segunda semana de outubro.

REGIÃO DA ALTA MOGIANA
Durante esta semana conversamos com 8 produtores parceiros da Atlantica na região da Alta Mogiana. Todos os entrevistados já finalizaram a colheita 20/21, com boa qualidade de bebida e peneira. Foi relatada abertura da segunda florada, desencadeada pelas chuvas da semana anterior. Os produtores destacaram que esta florada está mais intensa do que a primeira. Na região precipitou cerca de 10 mm nos últimos 10 dias.

As condições de tempo atual e as previsões para os próximos dias são fatores de grande preocupação para a produção de 21/22, de bienalidade negativa, e já pesam nas intenções do produtor de venda da próxima safra no mercado a termo. Também relataram o aumento no custo dos insumos.

LOGÍSTICA INTERNACIONAL
A dificuldade de espaço em navios e escassez de contêineres padrão alimento foram um grande desafio para os embarques do mês de setembro, cenário que deve se estender para os próximos meses. Os embarques em outubro para a maioria dos destinos já estão esgotados.

Reforçamos o pedido aos clientes do envio antecipado das Shipping Instructions e que se certifiquem com o armador no momento do fechamento do contrato de frete, se há unidades garantidas. Atuar com antecedência nos bookings é essencial para que os embarques ocorram sem atrasos.

Vamos continuar acreditando e investindo na cultura do café!

Fiquem bem,

Equipe Atlantica Coffee